Faculdade Kennedy
0800 031 2103
31 98488-7050

Semana de conscientização do autismo

Atividades são gratuitas e acontecem em diversos pontos da cidade

Entre os dias 2 e 6 de abril, acontece a semana da conscientização do autismo.
Como aprendi a brincar com meu filho? Meu aluno tem transtorno do espectro autista (TEA), o que fazer na sala de aula? Como vencer ainda desafios no mercado de trabalho? Questões como essas vão estar no centro das atenções de especialistas, pais, educadores, artistas e pessoas com TEA (Transtorno do Espectro Autista) durante a Semana de Conscientização sobre o Autismo, realizada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e por 32 entidades parceiras.

A programação foi aberta nesta segunda-feira com o Fórum Intersetorial sobre a legislação relacionada ao assunto, na sede da Prefeitura de Belo Horizonte. Nos demais dias, até o encerramento na sexta (6), as atividades realizadas em vários espaços da ALMG incluem audiências públicas, simpósio com palestras e debates, rodas de conversa, exposições artísticas, lançamentos de livros, cinema comentado e oficinas. Todas as atividades são gratuitas. Confira a programação.

Realizadas pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência da ALMG, as audiências públicas serão na terça (3), às 16 horas, sobre a judicialização de demandas do autista, e na quarta (4), às 14 horas, sobre a inclusão social do autista, ambas no Auditório da Assembleia.

Entre as entidades e órgãos parceiros da programação, está, além da Prefeitura de Belo Horizonte, a Comissão das Associações de Defesa dos Direitos dos Autistas de Belo Horizonte, que é formada pela Associação de Apoio à Deficiência Nossa Senhora das Graças (Agraça), Associação dos Amigos dos Autistas de Minas Gerais (AMA-MG) e Associação da Síndrome de Asperger no Transtorno do Espectro do Autismo em Minas (ASA TEA MG).

 

O que é - O autismo não é considerado uma doença a ser curada, mas uma condição neurológica tratável por meio de terapias multidisciplinares. Para vários especialistas, deve ser entendida segundo a perspectiva da neurodiversidade, que entende que diferentes condições neurológicas, entre elas o TEA, devem ser reconhecidas e respeitadas como qualquer outra diferença humana.

Participe!

 

Página do evento no facebook aqui


Publicada em: 02/04/2018
Tags:

Notícias Relacionadas: